Pular para o conteúdo

Entidades realizam ato unificado em Salvador nesta quinta-feira

18/05/2022 – O SINTSEF-BA, ao lado de outras entidades que integram o Fórum Baiano em Defesa do Serviço Público e centrais sindicais como a CUT e CSP-Conlutas, realizam nesta quinta-feira, 19, uma caminhada pelas ruas do Centro de Salvador, em defesa do reajuste imediato de 19,99% para o funcionalismo. A caminhada sairá do Campo Grande, às 9h, em direção ao INSS das Mercês. Depois de vários anos com salário congelado, os trabalhadores lutam contra as restrições do ano eleitoral para conquistar alguma reposição inflacionária emergencial que traga algum alívio financeiro.

A última negociação sobre reposição salarial foi em 2015, durante a gestão Dilma Roussef. Depois disso, nada: Temer e Bolsonaro ignoraram todos os pedidos de audiência. O índice para repor a inflação dos três anos de Bolsonaro é de 19,99%, conforme documento já protocolado no Ministério da Economia, com pedido de abertura imediata de negociação.

É urgente que os servidores se mobilizem porque, em 2021, os salários da categoria perderam 10,06% (inflação medida pelo IPCA): a gasolina aumentou 47%, a energia elétrica 20%, o gás de cozinha 36%, o macarrão 12%, o tomate 19%!

O governo alega não ter dinheiro em caixa, mas em 2021 as contas públicas tiveram um superavit de R$ 64,7 bilhões, a arrecadação cresceu 17,36%. Segundo o ministro da economia, Paulo Guedes, com a lei complementar 173/2021, o governo central economizou R$ 130,5, bilhões

Além disso, Bolsonaro sancionou a Lei Orçamentária de 2022 cortando quase 1 bilhão do INSS e reservando míseros 1,7 bilhão para reposição de perdas salariais com a intenção de beneficiar apenas três categorias: “salvar três ou vai todo mundo sofrer?”.

Sofrendo, “todo mundo” já está! Os servidores e os demais trabalhadores. Todos com salário arrochado. Será que Bolsonaro “esqueceu” que, na mesma Lei Orçamentária, foram destinados 37,6 bilhões para emendas parlamentares, das quais 16,5 estão no “orçamento secreto”? Tem também 1,9 trilhão para refinanciamento da dívida (banqueiros).

Além de a reposição anual das perdas inflacionárias para todas as categorias estar prevista na Constituição (art. 37), a lei eleitoral também autoriza a medida neste ano, desde que não ultrapasse a recomposição das perdas do poder aquisitivo, ou seja, exatamente o que estamos pleiteando.

Só não virá a reposição se o governo não quiser!

[Com informações da CONDSEF/FENADSEF]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.