Pular para o conteúdo

Servidores públicos querem novo governo comprometido com valorização do setor  

27/11/2022 – Nesta sexta, dia 28 de outubro, mais uma vez, os trabalhadores e trabalhadoras do serviço público trocarão as celebrações pelas bandeiras de resistência e luta. Em Salvador, a CUT promove um ato às 9h, na praça da Piedade, com a presença do SINTSEF-BA. Mesmo sendo uma categoria estratégica para o país, o setor continua sendo vítima de campanhas mentirosas do governo Bolsonaro e seus aliados com o propósito de retirar seus direitos. Foi assim com a Reforma da Previdência, a reforma do teto de gastos e agora a Reforma Administrativa (PEC 32/2020).

Bolsonaro, não custa lembrar, é o primeiro presidente em 20 anos a terminar o mandato sem reajustar o salário do funcionalismo público. Mas destinou bilhões no orçamento secreto para aliados e esbanjou no cartão corporativo. Após acabar com o direito à aposentadoria, o governo Bolsonaro negou aos trabalhadores e trabalhadoras até mesmo a reposição da inflação, e agora, com a PEC 32/2020 quer congelar progressões nas carreiras, reduzir salários e dar fim à estabilidade. Para novos e antigos servidores das esferas municipal, estadual e federal.

A reforma só atende aos interesses do mercado financeiro, os grandes empresários brasileiros que veem na prestação dos serviços públicos mais uma possibilidade de lucrar. Isso através das privatizações nas diversas áreas dos serviços públicos, passando a cobrar por serviços antes oferecidos gratuitamente à população.

“Defendemos o fim da precarização do trabalho no setor público e lutamos por um serviço público de qualidade, condições fundamentais para a superação da crise e a inclusão social”, afirmou Pedro Moreira, Coordenador Geral do SINTSEF-BA. Ao mesmo tempo em que espera o fim desse governo nefasto de arrocho, fome e morte, o sindicato espera que o próximo governo resgate para a sociedade a importância do acesso universal a um serviço público de qualidade com controle social. Para a entidade, a oferta de políticas públicas deve ser democraticamente fiscalizada e controlada pelos vários segmentos sociais e defendida por todas as organizações de trabalhadores e trabalhadoras.

O SINTSEF ainda defende o direito a um trabalho decente, com salário digno, oportunidades iguais para o desenvolvimento profissional, boas condições de trabalho, sem discriminação ou assédio de qualquer tipo. Serviço públicos de qualidade supõem, necessariamente, trabalhadores capacitados, bem remunerados e compromisso com a sociedade.

A pandemia mostrou o quanto servidores públicos são necessários. Estiveram na linha de frente do país e não apenas os da área de saúde. Garantiram o funcionamento do país para que todos pudessem ficar em casa, com segurança, enquanto o vírus se alastrava. Servidores (as) e empregados (as) públicos(as), da ativa ou já aposentados (as) não são privilegiados (as): têm direitos que precisam ser resguardados como qualquer outra categoria.

Defender o serviço público é defender a cidadania. Junte-se a nós nesta luta.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.