Servidores constroem greve nacional na luta por direitos e em defesa do serviço público

Servidores constroem greve nacional na luta por direitos e em defesa do serviço público

10 de janeiro de 2020

10/01/2020 - Trabalhadores do serviço público das três esferas se preparam para um grande Dia Nacional de Paralisação Mobilização, Protesto e Greves em 18 de março. A data foi definida ainda em 2019, na Plenária Nacional − Em Defesa dos Serviços Públicos Municipal, Estadual e Federal, das Empresas Estatais, do Brasil e dos Trabalhadores, ocorrida em Brasília-DF. O Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe), que reúne as diversas carreiras do funcionalismo, também referendou o 18 de março e está construindo a mobilização em suas bases.

18 de março é dia de greve nacional. Além da luta contra o sucateamento do Estado e a retirada de direitos, os servidores estão empenhados de proteger o patrimônio nacional, que pertence a todos os brasileiros.

 

Além da luta contra o sucateamento do Estado e a retirada de direitos, os servidores estão empenhados de proteger o patrimônio nacional, que pertence a todos os brasileiros. O plano de lutas aprovado em novembro de 2019 deliberou uma série de ações a serem realizadas pelas entidades sindicais, todas com o objetivo de defender e fortalecer o serviço e os servidores públicos.

Os protestos seguem a tendência de grandes mobilizações de trabalhadores de outros países, como o Chile, a França e mais recentemente a Índia. Além das pautas específicas, eles contemplam a mesma pauta de resistência contra a desigualdade, o racismo, a devastação ecológica, o militarismo e todas as formas de exclusão crescentes no planeta.

“Tudo isso se deve aos programas de austeridade e aos sistemas tributários regressivos”, alerta Rosa Pavanelli, secretária-geral da Internacional de Serviços Públicos (ISP), entidade a que a CONDSEF/FENADSEF é filiada. Entre as raízes do problema, ela identifica ainda “um quadro político que considera equivocadamente as empresas públicas obsoletas e os funcionários públicos como uma classe de trabalhadores privilegiados, caros e ineficientes”. Sem esquecer da estigmatização e até criminalização da atividade sindical, com sindicalistas vistos como perigosos ou “dinossauros” que são ridicularizados e até mesmo presos em muitos países.

Precisamos lutar até mudar essas narrativas distorcidas. Por isso mesmo, os protestos de março combinarão a reivindicação por pautas específicas como também uma mobilização contra as políticas neoliberais do governo Bolsonaro. A luta pelos direitos universais, como um salário digno, boas condições de trabalho e acesso a serviços públicos de qualidade, nunca ficará ultrapassada.

Fontes: Condsef/ISP

Foto: Lula Marques – Agência PT



SINTSEF

O Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público Federal no Estado da Bahia – SINTSEF/BA, foi fundado em 27 de agosto de 1989 e possui como lema ser: um elo de solidariedade e luta


Contate-nos

Ligue pra gente