Mobilização na França serve de inspiração para trabalhadores brasileiros

  • Populares

Os trabalhadores compreenderam a gravidade das ameaças e não se intimidaram. Organizaram-se em grandes mobilizações que paralisaram serviços essenciais como os transportes públicos e a atividade portuária. Milhões de pessoas foram ás ruas apoiar a luta, o que foi decisivo para a reversão do projeto.  

A classe trabalhadora atendeu ao chamado dos sindicatos e foi às ruas protestar contra a medida. Realizaram pelo menos cinco grandes manifestações nacionais em pouco mais de um mês, que foram fundamentais para barrar a reforma do presidente Emmanuel Macron.

O governo francês quer acabar com os 42 regimes especiais de Previdência para trabalhadores dos setores público e privado. A reforma obriga os franceses a trabalhar por mais tempo para receber uma pensão menor.

Os trabalhadores compreenderam a gravidade das ameaças e não se intimidaram. Organizaram-se em grandes mobilizações que paralisaram serviços essenciais como os transportes públicos e a atividade portuária. Milhões de pessoas foram ás ruas apoiar a luta, o que foi decisivo para a reversão do projeto.

Para o SINTSEF-BA e centrais sindicais, como a CUT, o recuo do governo francês serve de inspiração para os trabalhadores brasileiros. “Não podemos nos intimidar, por maiores que pareçam os desafios”, afirmou Edvaldo Pitanga, Coordenador Adjunto do SINTSEF-BA. Para ele, a transformação vem da vontade popular, a partir da participação da sociedade e organização da classe trabalhadora. “É a mobilização com o engajamento nas lutas que traz a força para conquistarmos as mudanças que desejamos”, concluiu.

No Brasil, passa da hora da sociedade retomar o protagonismo de sua própria história. Em 2019, apesar dos inúmeros alertas emitidos pelas entidades sindicais, a mobilização não teve força suficiente para barrar as mudanças cruéis aprovadas pela Reforma da Previdência, que aumentaram a idade mínima, reduziram os valores dos benefícios dos contribuintes do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e dos servidores públicos federais.