Pular para o conteúdo

Pela Vida das Mulheres: Bolsonaro Nunca Mais

07/03/2022 – Nesta terça-feira, 08 de março, o Sintsef-BA destacará a força da luta feminina por ocasião das comemorações em torno do Dia Internacional da Mulher. A importância de celebrar a data está em fortalecer o enfrentamento contra a discriminação e desigualdade (seja ela de gênero, raça, orientação sexual etc.). Apesar dos avanços resultantes da mobilização e engajamento femininos, ainda há uma grande desigualdade econômica e social entre homens e mulheres e ainda entre mulheres brancas e negras.
A data nos leva a refletir sobre o que representam esses anos de luta a partir de 1857, quando, operárias americanas de uma fábrica de tecidos iniciaram um movimento de reivindicação por melhores condições de trabalho e foram violentamente reprimidas, resultando na morte de 130 tecelãs, carbonizadas. Desde então, a data é um marco internacional da luta dessas mulheres, além de sua resistência e coragem no combate às diferentes formas de opressão até os dias atuais.
No 08 de março, mais uma vez, o Sintsef-BA levanta as bandeiras de luta da CUT-BA, que têm como tema “Pela Vida das Mulheres: Bolsonaro Nunca Mais! Por um Brasil sem machismo, racismo e fome!”. Em Salvador, o sindicato estará presente no ATO DE RUA – Caminhada Dia Internacional das Mulheres, às 14hs, do Campo Grande à Piedade (Organização: Secretaria de Mulheres/ Secretaria de Combate ao Racismo CUT-BA). As Atividades prosseguirão ao longo do mês de março (confira calendário em anexo).

Às mulheres é imposta uma dupla e até tripla jornada. Além do cuidado com a casa e a família, a mulher precisa buscar qualificação ainda maior do que os homens para poder competir no mercado de trabalho. E esses nem são os maiores desafios encarados por elas: uma pesquisa realizada em 27 países indicou este ano que o assédio e a violência são percebidos como os maiores problemas enfrentados pela população feminina.
Os desafios são grandes, mas quanto maior for nossa capacidade de resistência, maiores serão as chances de consolidarmos uma sociedade mais justa e igualitária, livre da discriminação de gênero, da exclusão e da subordinação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.