Em tempos de pandemia, servidores federais fizeram um Dia Nacional de Luta diferente

  • Populares

Os cartazes trazendo palavras de ordem e frases para mobilização da categoria, eram unificados em torno da pauta “Fica, serviço público” e “Fora Bolsonaro”. Em Salvador, o feriado antecipado não desmotivou a luta do SINTSEF-BA e a entidade teve o cuidado de evitar a concentração de pessoas em aglomerações.  Alguns dirigentes gravaram o protesto na porta do INCRA. Outros preferiram enviar os vídeos da própria casa ou outros ambientes. Núcleos regionais como o Nordeste, em Serrinha, e o Sul, em Itabuna, também marcaram presença na atividade.

Pedro Moreira, Coordenador Geral do SINTSEF-BA, servidor civil do Ministério da Marinha, defendeu o impeachment já e lembrou a importância do INCRA no âmbito do serviço público. Carlos Borges, Coordenador Jurídico do SINTSEF-BA e servidor do INCRA, lembrou os dois trabalhadores do órgão mortos pelo novo coronavírus em Porto Velho (RO) e Brasília (DF) e destacou que “enquanto a pandemia avança, o governo segue fazendo reformas e colocando no bolso dos servidores granadas para derrubar a terceira torre: a do serviço público”. Celso Fernandes, Coordenador de Comunicação e Imprensa, e servidor da CONAB, apontou o momento de crise dupla – sanitária e política. Com um cartaz que pedia a defesa das empresas estatais, recorreu a uma metáfora da relação do rio com o mar para chamar a categoria à luta: “É preciso entender que quando o rio perde força, o mar lhe rouba todo o espaço. Precisamos nos unir para colocar esse governo no seu limite”. Ainda em Salvador, a Coordenadora de Saúde do Trabalhador, Lucinha Félix, manifestou-se contrária ao desmonte dos órgãos ambientais: “Não queremos militarização. Chega!”.

No Núcleo Sul, a Coordenadora de Administração do SINTSEF-BA, Isabel Cristina Machado, servidora do MAPA/CEPLAC, optou por reunir diversas pautas num mesmo cartaz e protestou junto a outros trabalhadores: “Por amor ao Brasil, pela manutenção do serviço público e o direito dos trabalhadores, fora Bolsonaro!” Pelo Núcleo Nordeste, em Serrinha, o Coordenador de Políticas Sindicais, Antonio “Capila” Sobrinho, pediu licença à Mãe Natureza e à sua ancestralidade para defender a revogação da EC 95/2016: “(A emenda) faz parte do projeto neoliberal, de ajuste fiscal que destrói o serviço público, retira direitos da classe trabalhadora e causa impacto nas políticas públicas e sociais”.

Também de Serrinha, Antônio Paulo Reis Barbosa, o “Paulo Bahia, da base do SINTSEF-BA, deu uma alerta sobre esse governo que escolheu o serviço público federal como um dos principais motivos de perseguição. “A reação tem que ser total. Vamos dizer não a Bolsonaro. Reaja, servidor público federal!”. Na região oeste, em Santa Maria da Vitória, o Coordenador da Delegacia Sindical local, Valdir Cassemiro de Carvalho, exigiu respeito e investimentos para um serviço público de qualidade para toda a população. Por sua vez, a Coordenadora de Assuntos de Aposentadoria e Previdência do sindicato, Tânia Oliveira, solidarizou-se às famílias que perderam seus entes queridos para a COVID-19 e homenageou os trabalhadores e trabalhadoras que morreram exercendo a sublime missão de salvar vidas. Representando a Delegacia Sindical de Itaberaba, Altair Oliveira repudiou o governo Bolsonaro, que quer destruir a classe trabalhadora e o serviço público.

Os vídeos do Dia Nacional de Luta serão publicados em nossa página e nas redes sociais (Instagram: @sintsef_bahia e Facebook: @sintsef ) Visite, acesse e comente.