Roda de Conversa do SINTSEF-BA celebra o Novembro Negro

08/11/2021 – O SINTSEF/ BA dará sua contribuição às reflexões em torno do NOVEMBRO NEGRO. A celebração acontece na manhã do próximo dia 12 de novembro, a partir das 09h, com uma Roda de Conversa Virtual que terá como tema “SINDICATO, QUILOMBO E EDUCAÇÃO: TERRITÓRIOS DE LUTA E RESISTÊNCIA”. Entre os (as) convidados (as) estão: Arylma dos Santos Sousa. Liderança Quilombola: Quilombo de Vila Nova/ Biritinga; Moisés Leal – Prof. do IFBaiano/ Catu e Pesquisador de História Regional e Milca Martins – Secretária Geral Sindoméstico/BA e Diretora da Federação Nacional das Trabalhadoras Domésticas. O acesso ao evento é livre e pode ser feito através do seguinte link na Plataforma Zoom: https://us02web.zoom.us/j/89482871454?pwd=NmxLSzRJVlhtR2IvREYyTUlNWHNwdz09 (ID da reunião: 894 8287 1454; Senha de acesso: 500805).

A ideia é pensar sobre o 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, focando no significado que a morte e memória viva de Zumbi dos Palmares têm para a sobrevivência da identidade quilombola, a retirada de direitos e invisibilidade deste povo e o fortalecimento da coletividade, da ancestralidade e das ações de base comunitária.

“Num país onde o patriarcado, o mandonismo, o patrimonialismo, o machismo são marcas estruturais de sua formação social, coisificando a classe trabalhadora, homens e mulheres, movimentos populares, em diversas épocas e matizes, protestos e balbúrdias, são importantes na construção, defesa, reconstrução permanente da democracia; são importantes para não naturalizarmos relações sociais preconceituosas, intolerantes, discriminatórias, racistas”, afirmou Erilza Galvão, Coordenadora de Formação do SINTSEF-BA e Secretária de Gênero, Raça, Etnia e Contra Opressões da CONDSEF/FENADSEF.

A educação, como vários outros setores da sociedade, possui um papel preponderante nesse processo difícil de transformação social, de enfrentamento dos velhos hábitos de herança colonial ainda largamente cultivados no Brasil. A saber: o coronelismo (do agronegócio, dos grandes latifúndios, do “sabe com quem você está falando”), o racismo que exclui, mata e subjuga negros e negras, o machismo e a homofobia, que aniquilam as diferenças e negam direitos, entre outros. E como recorda Antonio Capila Sobrinho, Coordenador de Políticas Sindicais do SINTSEF-BA, “o SINTSEF-BA, em seus 32 anos de história, traz e continuará trazendo em sua bandeira de lutas o combate ao racismo e à intolerância em suas mais variadas manifestações, o respeito às diferenças, além da compreensão crítica do papel de cada cidadão, responsável por transformar essa realidade de miséria, preconceito e intolerância”. 
Junte-se a nós nesta luta. Participe da Roda de Conversa Virtual e contribua para o debate.
(com informações da CONDSEF/FENADSEF)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *