POR CONTA DO CORONAVIRUS, CENTRAIS SUSPENDEM MANIFESTAÇÕES DE RUA, MAS MANTÊM A GREVE DO DIA 18/03

POR CONTA DO CORONAVIRUS, CENTRAIS SUSPENDEM MANIFESTAÇÕES DE RUA, MAS MANTÊM A GREVE DO DIA 18/03

16 de março de 2020

16/03/2020 - O Dia Nacional de Greve Contra a Privatização e o Desmonte do Estado, convocada pelas centrais sindicais para o próximo dia 18/03, quarta-feira, está mantido. Porém, os atos de rua também agendados para a data em diversas cidades do país estarão suspensos. A medida foi tomada pelas centrais, como a CUT, e outras entidades que organizam a greve nacional, como a Frente Brasil Popular, como forma de colaborar para a contenção da epidemia do novo Coronavirus. É responsabilidade de todos e todas barrar o avanço da doença e colaborar também com outras ações institucionais de prevenção, como os decretos municipais que limitam aglomerações populares, onde há uma maior probabilidade do vírus se espalhar.

Também por essa razão, o SINTSEF-BA suspendeu as assembleias que ocorreriam na EBSERH (HUPES e MCO) nesta segunda-feira. No comunicado de suspensão, o sindicato esclareceu que, por não haver qualquer decisão que necessite de posicionamento da categoria nesse momento, considerou mais prudente suspender as assembleias e impedir o alastramento do COVID-19. Em breve, o SINTSEF-BA emitirá um informe sobre as agendas do final de semana em Brasília e comunicará as novas datas das assembleias tão logo a situação esteja normalizada. As outras assembleias de mobilização agendadas no interior do estado também devem ser canceladas: em caso de dúvidas, entre em contato com o Núcleo Regional ou Delegacia Sindical mais próxima e obtenha maiores informações.

Mesmo sem as manifestações de rua, é importante manter a greve de quarta-feira. Sobretudo por ser um protesto em defesa do serviço público, de mais recursos para o SUS e contra a suspensão do congelamento dos gastos públicos. O projeto de destruição do Estado e dos serviços públicos, com ataques aos direitos adquiridos dos trabalhadores, continua avançando no Brasil. Apesar de nossos contínuos alertas e protestos nas ruas, não conseguimos barrar reformas graves, como a da Previdência ou a Reforma Trabalhista.

Após acabar com o direito à aposentadoria, o governo Bolsonaro agora volta com esse discurso mentiroso de que só novas reformas conterão a crise do país. Já vimos esse filme. A Reforma perversa da vez é a Administrativa, que atinge diretamente os servidores públicos. Sem ouvir a parte interessada, pretende acabar com a garantia de reposição da inflação, congelar progressões nas carreiras, reduzir salários e dar fim à estabilidade do funcionalismo.

Como a CONDSEF/FENADSEF já vem alertando, a proposta de Bolsonaro nada tem a ver com a melhoria dos serviços prestados. Quer acabar com os direitos e os concursos públicos para entregar esses serviços para empresas privadas e, ao invés do concurso público, o que vai prevalecer é a indicação para cargos feita por vereadores, deputados e senadores. A CUT reivindica ainda medidas de geração de emprego e renda e a suspensão da votação de projetos que prejudicam a classe trabalhadora como a Medida Provisória (MP) 905, do Contrato Verde e Amarelo.

EM 18/03, DEFENDA O SERVIÇO PUBLICO E PARTICIPE DA GREVE! NENHUM DIREITO A MENOS!



SINTSEF

O Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público Federal no Estado da Bahia – SINTSEF/BA, foi fundado em 27 de agosto de 1989 e possui como lema ser: um elo de solidariedade e luta


Contate-nos

Ligue pra gente



Cadastre o seu e-mail


Tópicos