Arquivo de Notícias

ARQUIVO DE NOTÍCIAS

11/02/2019
SINTSEF-BA cumpre agenda de atividades nacionais em Brasília nos próximos dias.

11/02/2019 - Dirigentes e representantes do SINTSEF-BA estarão em Brasília, a partir desta semana, onde cumprirão uma agenda de atividades promovidas pela CONDSEF/FENADSEF, como o Encontro Nacional de Comunicação e Imprensa (dias 13 e 14/02), Reunião do CDE (dia 15/03) e Reunião da Direção Nacional da CONDSEF/FENADSEF (16/02) e Reunião ampliada do FONASEFE (dia 17/02), Reuniões de discussão e negociação do ACT 2019/2020 da EBSERH (19 e 20/02). Em março, nos dias 15 e 16, também já está previsto o Seminário de Organização Sindical da base da CONDSEF/FENADSEF e ainda um indicativo de Plenária Nacional também da base da CONDSEF/FENADSEF.

Em destaque na pauta de discussões, estão o diagnóstico da conjuntura político-econômica nacional, os desafios propostos para o funcionalismo (e para a classe trabalhadora, de modo geral), bem como as possibilidades de enfrentamento desse cenário hostil, através de ações de organização e mobilização da categoria. O país está dividido, a democracia encontra-se em risco, as ameaças às instituições são constantes. Mas a máscara das mudanças prometidas por Jair Bolsonaro e seus filhos começa a ruir, com denúncias de corrupção, inépcia administrativa, participação de velhas raposas da velha política etc. Mal se instalou no poder e esse governo já dá mostras do fiasco que anunciava desde a campanha. Mas para além dos ministros “lunáticos”, temos um ultraliberal no comando da economia e a ala militar do governo tentando vender a imagem de competência e simpatia.

Caberá aos movimentos sindicais e sociais se organizarem para somar forças em uma ampla frente democrática de resistência. Não somos fracos e nem fomos destruídos após as eleições. Por isso, a CONDSEF/FENADSEF e seus sindicatos se reúnem nas próximas semanas para debater os rumos da mobilização diante deste novo cenário político.

Além da Reforma da Previdência, um desafio a ser enfrentado será a tentativa de criminalizar os movimentos sociais como terroristas, a Lei 272/2016, que foi retomada no Congresso Nacional logo após o resultado das eleições 2018 que deu vitória ao candidato da extrema-direita. Sendo apenas um exemplo, a tentativa do governo Bolsonaro de abafar a oposição e movimentos contra suas políticas redutoras de direitos não deve fazer calar o povo e suas representatividades, incluindo os sindicatos.

As entidades precisarão estar unidas para fazer valer a pauta natural do movimento sindical, que é a resistência. Pela democracia, pela garantia dos direitos, contra os efeitos da recessão e das reformas trabalhista e da previdência. Mas não conseguiremos construir o país que queremos sem o apoio da sociedade. Por isso é tão importante a participação da base nas atividades convocadas pelo sindicato. Junte-se a esta luta e defenda seus interesses.