Arquivo de Notícias

ARQUIVO DE NOTÍCIAS

10/10/2018
Bolsonaro propõe Reforma da Previdência penalizando servidores públicos.

10/10/2018 - A retirada definitiva da proposta de "reforma" da Previdência da pauta do Congresso Nacional em fevereiro deste ano representou uma imensa derrota sem tamanho para os golpistas. A vitória força dos trabalhadores brasileiros, contudo, não impediu que o candidato dos golpistas Jair Bolsonaro esteja novamente querendo resgatá-la, caso seja eleito.

Ao falar sobre sua proposta para a Previdência, ele afirmou que irá ampliar o tempo de trabalho para servidores públicos e trouxe de volta o tema do ex-presidente Fernando Collor na campanha de 1989, prometendo acabar com a "farra de marajás". Já vimos esse filme: com esse discurso de acabar com regalias e sem propostas concretas para o país, Collor acabou provando ser uma fraude, com uma gestão marcada por denúncias de corrupção e incapaz de governar e dialogar com a sociedade.

Tudo indica que a reforma da Previdência será proposta pelo candidato do PSL e coligação nos moldes semelhantes - ou até piorada - à apresentada pelo ilegítimo e golpista Michel Temer, que praticamente quer acabar com a aposentadoria dos brasileiros e brasileiras para atende as exigências impostas pelo mercado financeiro.

As declarações de Bolsonaro são mais uma prova da catástrofe que um possível governo dele, com Hamilton Mourão (PRTB) de vice e Paulo Guedes no Ministério da Fazenda, representarão para a população, sobretudo para os trabalhadores e trabalhadoras do serviço público.

Já Fernando Haddad, o candidato do PT à Presidência da República, declarou em diversas entrevistas que é contra a reforma da Previdência proposta pelo ilegítimo Temer e, se eleito, irá engavetá-la definitivamente. O seu programa de governo também reafirma esse posicionamento.

“Rejeitamos os postulados das reformas neoliberais da Previdência Social, em que a garantia dos direitos das futuras gerações é apresentada como um interesse oposto aos direitos da classe trabalhadora e do povo mais pobre no momento presente”, diz trecho do programa.